Globo faz jornalismo de conveniência: mostra quando tem interesse e esconde notícias quando convém

(reprodução do R7)

O Tribunal de Justiça de São Paulo anulou, na última terça-feira (19), todas as acusações do Ministério Público de São Paulo contra a Igreja Universal do Reino de Deus e seus representantes. Embora a denúncia tenha sido repercutida à exaustão no ano passado por parte da imprensa, a maioria dos veículos de comunicação – como a TV Globo e o jornal Folha de S.Paulo – ignorou o desfecho do caso na última semana.

Os desembargadores paulistas consideraram que a Justiça Estadual não tinha competência para julgar a ação, conduzida por promotores do Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado).

Após a anulação das acusações, o Tribunal informou, em nota, que o próprio Ministério Público reconheceu a incompetência da Justiça Estadual para julgar o caso. Curiosamente, porém, a Folha de S.Paulo e a Globo omitiram a decisão dos desembargadores em seu noticiário. Apenas o jornal O Estado de S.Paulo deu destaque à notícia.

O silêncio da mídia se explica pela “disputa pelo mercado de audiência”, segundo avaliação do professor de jornalismo da USP (Universidade de São Paulo) Laurindo Leal Filho.

– Esse assunto interessa a essa disputa pelo mercado de audiência. Então, isso ganha ares sensacionalistas ainda maiores e depois priva o telespectador, ou o leitor, da informação complementar quando, sabendo e percebendo que o resultado não interessa mais a ele nessa disputa, simplesmente omite do noticiário.

O advogado Antonio Sérgio de Moraes Pitombo, que representa a Universal, cobrou um reconhecimento público dos promotores diante da anulação das acusações. O Ministério Público informou que ainda não sabe se irá recorrer da decisão.

– Eu gostaria até que o Ministério Público recorresse, porque aí nós temos a chance de ganhar nas instâncias superiores.

Em maio deste ano, decisão do presidente do TJ-SP já havia considerado nula parte das provas apresentadas pela promotoria e indicado erro de condução pelos promotores do caso ao solicitarem cooperação internacional para investigar os acusados.

Na última semana, o líder da Igreja Universal e proprietário da Rede Record, o Bispo Edir Macedo, comentou a anulação das acusações e a omissão da mídia, em texto publicado em seu blog pessoal.

– Fomos vítimas de um verdadeiro massacre de alguns promotores do Ministério Público de São Paulo e da imprensa. […] Em nosso interior, nunca nos abalamos, porque sempre tivemos fé na Justiça.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s