Bandidagem dentro da Polícia: delegado e investigador usam dinheiro clandestino para pagar obra no Denarc

A Polícia Civil de São Paulo pagou R$ 40 mil, em notas, a um empreiteiro, sem exigir recibo ou nota fiscal, segundo depoimento dele à Corregedoria obtido pela Folha. Dinheiro vivo e ausência de recibo são características clássicas de caixa dois.

A informação é do repórter especial Mario Cesar Carvalho, publicada na edição deste domingo da Folha.

O episódio ocorreu em outubro do ano passado, no Palácio da Polícia, na região central de São Paulo, de acordo com relato do empreiteiro Wandir Falsetti.

Falsetti fiz ter recebido o pagamento em dinheiro vivo do delegado Marcus Vinicius Vieira, de um órgão chamado Apafo (Assistência Policial para Assuntos Financeiros e Orçamentários).

O empreiteiro conta que sua empresa reformou em 20 dias o prédio que desde fevereiro do ano passado abriga o Denarc (Departamento de Narcóticos), no Bom Retiro, também no centro da cidade.

A obra, orçada em R$ 200 mil, foi realizada sem licitação ou qualquer outro documento oficial, segundo o delegado Everardo Tanganelli Jr., chefe da divisão de narcóticos até fevereiro de 2009.

Policiais ajudaram a pagar a mudança e parte da reforma, afirma Tanganelli Jr. Ele diz ter dado R$ 20 mil para o empreiteiro. O chefe dos investigadores entregou um carro, uma Montana 2007, no valor de R$ 28 mil. Outros três policiais deram R$ 33 mil, diz o empreiteiro. Ele reclama que o Estado lhe deve R$ 80 mil.

Tanganelli Jr. e os policiais que pagaram parte da obra estão sob investigação da Corregedoria da Polícia Civil. Para o órgão, policiais que dão dinheiro do próprio bolso a um empreiteiro vão tentar, um dia, recuperar esses valores.

OUTRO LADO

O investigador Oswaldo Cardenuto confirma que deu um carro ao empreiteiro no valor de R$ 28 mil. Ele diz ter feito isso porque “é obrigado a trabalhar”. “O prédio estava inabitável. Tinha até pomba morta na caixa d’água. Se deixo de cumprir uma ordem, não é o Estado que é punido. Sou eu”.

Segundo ele, todos os distritos são reformados com dinheiro levantado pelos próprios policiais. O mesmo tipo de procedimento ocorre com viaturas e computadores.

A Secretaria da Segurança diz que a investigação sobre irregularidades na reforma do prédio existe, mas não pode dar detalhes para não atrapalhar o caso. Segundo a secretaria, a investigação corre sob “sigilo policial”.

A Folha procurou o delegado Marcos Vinicius Vieira na última sexta-feira, mas não conseguiu localizá-lo. O ex-secretário de Segurança Ronaldo Marzagão diz que reformas de prédios não passavam por seu gabinete.

Leia a reportagem completa na Folha deste domingo, que já está nas bancas.

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Uncategorized

Uma resposta para “Bandidagem dentro da Polícia: delegado e investigador usam dinheiro clandestino para pagar obra no Denarc

  1. Ernesto de la Serna

    Porque votaremos em Mercadante: Policial ferido em serviço ganha R$372,00
    COMPROVE NESSE VÍDEO O QUE A TV GLOBO E A VEJA NÃO MOSTRAM http://www.youtube.com/watch?v=QnbWbnKjt4M
    Geraldo Alckmin – SERRA – PSDB: Nunca Mais!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s