Justiça de Minas decide que agiotagem é crime e anula transferência de imóvel

O Tribunal de Justiça de Minas Gerais anulou o registro de compra e venda de um imóvel na cidade de Patos de Minas, região do Alto Paranaíba, por ter sido originado da prática de agiotagem. O imóvel, que havia sido transmitido ao agiota, vai ser devolvido ao antigo proprietário.
Um casal pegou dinheiro emprestado com um agiota conhecido na região de Patos de Minas e alega que os juros cobrados chegaram a 14% ao mês. Segundo afirma o casal, o agiota, querendo receber o seu crédito, exigiu dele “vários imóveis, assim como a emissão de notas promissórias”.
Contam, ainda, que, pressionados, assinaram um documento constando que caso a dívida não fosse quitada, imóveis de sua propriedade saldariam a dívida. Como um de seus imóveis foi transferido para o agiota, o casal solicitou, na Justiça, a manutenção da posse da casa, objeto do negócio jurídico, e a declaração da nulidade da escritura pública de compra e venda já lavrada em cartório.
O agiota e sua sócia alegaram que possuíam uma empresa de factoring legalmente constituída e que “a escritura de compra e venda não possui nenhum vício capaz de ocasionar a sua nulidade”.
O juiz de 1ª Instância entendeu que a prova documental foi insuficiente para anular a escritura pública.
O casal recorreu ao Tribunal de Justiça e o relator do recurso, desembargador Wagner Wilson, chegou à conclusão de que o casal, que passava por dificuldades financeiras, foi coagido a assinar e lavrar a escritura. O relator enfatiza que “o ordenamento jurídico brasileiro reprime a prática de agiotagem tanto na esfera cível como criminal”.
O relator esclarece ainda que houve prova testemunhal suficiente para verificar que “o contrato de compra e venda residencial do casal teve por fim garantir a dívida por eles contraída” e que os agiotas são conhecidos na região e são processados em inúmeras ações na Justiça com alegação de agiotagem.
Assim, decidiu pela anulação da compra e venda do imóvel e determinou “o cancelamento no registro de imóveis da escritura pública” lavrada em cartório. Os desembargadores José Marcos Vieira e Sebastião Pereira de Souza acompanharam o voto do relator.

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em Uncategorized

3 Respostas para “Justiça de Minas decide que agiotagem é crime e anula transferência de imóvel

  1. Paulo Roberto Alves de Araújo

    eu a xu que agiota nao e crime porque quando a pessoa preziza pra-investi e ganha muito mais muita gente quando estar no suforcu e prarla que corre nao e crime

  2. Paulo Roberto Alves de Araújo

    a jiota nao e crime

  3. adriano alves vieira

    eu acho que agiotagem e crime, mas opiniões so não adiantam, porque a propria justiça tem duvida em como condenar esses ‘agiotas’ quem sou eu para opinar, como produzir provas se eles não emitem recibos e ninguem testemunha contra eles por medo de represalias.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s