Justiça condena a Globo por veicular notícia mentirosa. Isso é novidade?

A Rede Globo de Televisão foi condenada por atribuir informação errada a um funcionário do Judiciário que foi veiculada no Jornal Nacional.
Segundo o judiciário, é intolerável que uma emissora do porte da Rede Globo, em condições de averiguar corretamente o erro, se isente de falha e culpe um terceiro sem o menor receio da ofensa à reputação.
Essa fundamentação foi usada pela 6ª Câmara de Direito Privado, do Tribunal de Justiça de São Paulo, para negar recurso da Globo contra decisão que a condenou em primeira instância.
A Globo foi condenada a pagar 200 salários mínimos de indeização ao então assessor de imprensa da Justiça Federal em São Paulo, Márcio Silva Novaes, que hoje trabalha na Record. O caso começou no ano 2000, quando o assessor disparou texto jornalístico a veículos de imprensa sobre o recebimento de denúncias criminas contra o ex-juiz Nicolau do Santos Neto, condenado pelo desvio de verbas públicas destinadas à construção da sede do Tribunal Regional do Trabalho em São Paulo, e contra os empresários Monteiro de Barros e José Eduardo Corrêa Teixeira Ferraz.
A Globo, no entanto, veiculou no Jornal Nacional que a denúncia também havia sido recebida contra Maria da Glória Beirão dos Santos, mulher de Nicolau, e que teria sido até decretada a sua prisão. Quando a emissora percebeu o erro, noticiou no dia seguinte — em rede nacional — que a informação incorreta havia sido transmitida por culpa do assessor de imprensa.
Na ação, o assessor sustentou que ele não teve relação com o erro, já que os outros veículos como a Record, Folha de S.Paulo e Estadão receberam a mesma informação e a divulgou de maneira correta. Por isso, ele pediu indenização por dano moral.
Ao analisar o recurso, o relator, desembargador Paulo Furtado Filho, destacou que ficou claro no texto do assessor que não fora recebida denúncia contra a mulher do ex-juiz. A Globo, uma vez constado o erro na divulgação da notícia deveria ter apurado o ocorrido, e não anunciado que a informação havia sido transmitida incorretamente pelo assessor de imprensa, registrou o desembargador.
Assim, ele concluiu que o valor arbitrado na primeira instância deve ser mantido. “Não se vê como, ademais, reduzir o valor estipulado. Leva-se em conta a grande repercussão que tem a matéria ofensiva à reputação profissional do autor, considerando que a divulgação dá-se no âmbito do Jornal Nacional, sabidamente de grande audiência, como, aliás, por ela é apregoado”, finalizou o relator, ao negar recurso da emissora.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s